segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

"A pergunta é: e quando o outro é muito mais do que um?"

"Tudo que move é sagrado
E remove as montanhas
Com todo cuidado, meu amor
Enquanto a chama arder
Todo dia te ver passar
Tudo viver ao teu lado
Com o arco da promessa
Do azul pintado pra durar.

Abelha fazendo o mel
Vale o tempo que não voou
A estrela caiu do céu
O pedido que se pensou
O destino que se cumpriu
De sentir o seu calor e ser todo
Todo dia é de viver
Para ser o que for e ser tudo.

Sim, todo amor é sagrado
E o fruto do trabalho
É mais que sagrado, meu amor.
A massa que faz o pão
Vale a luz do seu suor
Lembra que o sono é sagrado
E alimenta de horizontes
O tempo acordado de viver.

No inverno te proteger
No verão sair pra pescar
No outono te conhecer
Primavera poder gostar
No estio me derreter
Pra na chuva dançar e andar junto
O destino que se cumpriu
De sentir o seu calor e ser tudo."

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Prisioneiros da Esperança.

Aprender é muitas vezes errar e cair até que a verdade de deus seja completamente introjetada em nós de forma que não precisemos mais pensar para agir de acordo com ela, não automaticamente, numa busca cruel em atitudes robotizadas e manipuladas para mudar a situação, mas naturalmente, se descobrindo quem realmente é, entendendo as falhas e reconhecendo que nada de bom é realidade partindo do próprio, tornando assim o caminho impossível de recuar.

Isso é um treinamento que me lembra Moisés, Elias, Davi...
E agora, existem os que estão em cavernas, desertos, prisões?

Possivelmente a minoria que não abortou a missão um dia se juntará!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Natal = Nascimento.

Diretamente digo: Deus me ama do jeito que sou sem superficialidade mostrando no que erro, mas ainda dizendo que me quer. É simples e forte assim! A qualidade real de deus é se mostrar diferente de como tudo está ao redor. Ele caminha contra a falta despejando o muito que muitos não reconhecem por não ser palpável. É cena falarmos que estamos sozinhos e também é cena batalhar para estar no meio de muitos e dizer a si mesmo que é amado. É tudo mentira! Geralmente estar/querer é face de piedade para se safar do óbvio que é: completar o vazio. Resposta para quase tudo: amor, amor, amor... No mais, mesmo não fazendo cena, também se ferra quem ama, pois no fim é tudo dolorido! rs

A diferença é: Quem se dispõe a amar não descobre quem o outro é, mas quem realmente é no outro. E descobrindo em arrependimento te desejo Feliz Nascimento de Cristo! =)
Esse é o presente, amiguinhos!!!
Ho Ho Ho!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Continue andando.

“Aqui é um lugar de desamor
Tempo de antes e tempo de após
Numa luz mortiça: nem a luz do dia
Que reveste formas de lúcida quietude
Transfigurando sombras em beleza transitória
E cuja lenta rotação sugere permanência
Nem a escuridão que purifica a alma
Esvaziando o sensual com privação
Purgando de afeto o temporal.
Nem plenitude, nem vazio. Apenas um bruxuleio
Sobre faces tensas e repuxadas pelo tempo
Distraídas da distração pela distração
Cheias de fantasmagorias e ermas de sentido (…)
Desce mais fundo, desde apenas
ao mundo da perpétua solidão
Mundo não mundo, mas o que não é mundo
Escuridão interior, privação
E destituição de toda propriedade,
Ressecamento do mundo dos sentidos,
Evasão do mundo da fantasia
Inoperância do mundo do espírito;
Este é um dos caminhos, o outro
É o mesmo, não em movimento
Mas imóvel, enquanto o mundo se move,
Em apetência, sobre seus metálicos caminhos
De tempo passado e tempo futuro.


T.S. Eliot, Quatro Quartetos, Burnt Norton, III

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

I want to know what Love is.

A serpente não enganou somente Adão e Eva, enganou outros que possuem o "título" de heróis da fé.

Sim, Moisés, Abraão, Sara, Isaque, Jacó, Gideão, Sansão, Davi, Samuel, Salomão...

Somente UM não foi enganado!

Somente UM o pecado não alcançou!

Sem amor, verdade, misericórdia, sem na real Cristo em nós o que continuaremos a ser?

Sim, enganados. E depois, passamos para enganadores perdidos mais perdidos do que os perdidos cegos sem orientação na escuridão.

sábado, 28 de novembro de 2009

= x

Putz, o que realmente seria sem o seu amor? Sem a sua sustentação no meio de tantas turbulências? Quem reconhece suas mãos nos presentes da vida? Quem reconhece em cada respiração que ganhamos, que liberamos, que nos deixa vivos? Quem reconhece sua face? Porque me quer? Pra que existir comigo junto? Porque deseja ter-nos mesmo desobedecendo desde os primórdios? MUITO BOM foi o que saiu do seu coração sobre nós, e nós estragamos tudo, e continuamos a estragar, esmagar, estraçinhar, aaah se não fosse Jesus... Nossa ponte! Nosso vínculo! Porque não fica somente com ele que é alegria certa, por ser igual, por ser no todo você? Porque nós com esse coração?? O senhor é Rei e no seu reinado receberá esse povo que é isso que vê todos os dias, todos os momentos... Meu Deus, eu não mereço você!

Obrigada por me dar vida em Jesus. Errei... Perdão! Creio que o agradecimento é em forma de arrependimento por não lembrar dessa sua bondade sempre. Atitude para recebe-lo todos, todos, todos os dias.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Maybe it’s time for miracles...

A única indagação que trarei é que o alinhamento dos planetas trouxe a destruição, e agora veja você que lê a bíblia todos os dias, Jesus conseguiria acalmar o mar naquela situação caótica que o mundo se encontrava??

Vai, eu respondo:
Sim,
o mar não oferece resistência, obedece por ser submisso a sua voz.

E por aqui quase tudo certo, alinhado e bonito em nossa vida...

Opa, uma chamada para a religião?

No filme pode até ser, mas por aqui não. kkkkkkk

Então, uma chamada para ir a arca com a pretensão tão pura de manter a humanidade??

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

A chamada é para o nosso fingido coração de "filhos e filhas".


Pergunte à Deus mais detalhes!

=)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

. )

Após cruzar florestas virgens,
Como fazem os bons bezerros
Um bezerro retornou para casa;
Mas uma sinuosa trilha seu rastro deixou
Como todos os bezerros deixam.
Trezentos anos se passaram desde então,
O bezerro está morto, eu acredito.
Mas seu rastro ainda permanece,
E a moral da história está aí.

No dia seguinte o rastro farejado foi
Por um cão solitário que por ali passou;
Então o sábio vaqueiro
Seguindo a trilha por vales e estepes,
Trouxe o rebanho atrás de si,
Como os bons vaqueiros fazem.
E desde então surgiu grande clareira na mata,
Pela velha floresta surge um caminho.

E muitos homens por ela foram e voltaram
E alargaram, arrumaram, ampliaram.
E proferiram palavras de justa ira
Por ser tortuoso tal caminho.
Mas mesmo a contragosto ainda o trilharam,
A primeira trilha daquele bezerro,
Por entre árvores e entre espinhos ficou sinuosa
Pois cambaleava enquanto caminhava.

Este caminho na floresta virou rua,
Que curva, vira e curva novamente;
Esta rua torta virou estrada
De pobres cavalos com suas cargas
Labutando sob o ardente sol
Numa viajem de três milhas e meia.
E assim por um século e um meio
Seguiram nos passos daquele bezerro.

Os anos voaram velozes,
A estrada virou rua de aldeia;
E antes que os homens dessem conta,
Virou avenida congestionada da cidade;
E logo rua central de uma metrópole renomada;
E homens há dois séculos e um meio andaram
Na trilha de um bezerro, a cada dia cem mil
Pessoas seguem o cambaleio do bezerro;

Tal tortuosa jornada vira rota de continente.
Por onde passam cem mil homens
Passou um bezerro, morto há trezentos anos.
E eles ainda seguem o caminho tortuoso,
E perdem cem anos por dia;
E assim prestam tamanha reverência
A tão bem firmado precedente.
A lição moral que isto ensina por mim é pregada;

Os homens são propensos a seguirem cegos
Ao longo das trilhas dos bezerros da mente.
E a trabalhar dia a dia, sol a sol.
Para fazer o que outros homens fizeram.
Eles seguem no rastro batido,
Pela beira e pelo meio, para frente e para trás.
Permanecendo ainda em seus tortuosos caminhos,
Mantendo o caminho que outros fizeram,

Eles fizeram do caminho uma trilha sagrada,
Ao longo do qual suas vidas se movem.
Como sorri o velho sábio deus da floresta,
Ele que viu o primeiro bezerro passar!
Ah! Muitas coisas este conto poderia ensinar.
Mas não sou ordenado para pregar.

- Sam Walter Foss

domingo, 15 de novembro de 2009

Jesus, Fariseus, Judas...

"Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,
Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?
Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?"

Fernando Pessoa.



Escória do mundo entram adiante de vós no Reino de Deus faladores do sim, e praticantes do NÃO!
(MT 21.31-32)


ARREPENDEMO-NOS?

ARREPENDAMO-NOS!


Ite, missa est!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Blade Runner.

Você foi feito da forma mais perfeita possível.

Mas não para durar, queixa-se Roy.

A luz que brilha com o dobro de intensidade dura a metade do tempo. E você brilhou com uma enorme intensidade, responde-lhe o pai que em seguida foi morto pela sua criatura inconformada com sua prematuridade.

Mais tarde, já no final do filme, quando a chama de Roy, que tanto brilhou, vai se apagando irremediavelmente o seu imenso amor pela vida, por qualquer vida, o leva no derradeiro instante a salvar a vida do seu próprio caçador, Deckard.

=)

Viu?!
Sem luz, sem segurança.
E alguns ficaram nas velas que derretem e outros nos celulares que descarregam. O que seríamos sem o improviso para observar e seguir? Sim, luzes improvisadas no momento de aflição. Claro, luz FURRECA que nos supre por algum tempo. Temos esses "espasmos" na vida, não é mesmo? Colocando nossa força para iluminar pequenos espaços. Algo direcionado e nada ampliado e permanente. Certo, mas a minha preocupação estava mesmo na rua, pois os que esperam nas casas nem sempre se incomodam com a escuridão, no mais, a preocupação é por esperar e aguardar notícias dos que sairam cedo para a seara. Alguns para o alimento que perece, e outros não. Não vem ao caso, pois o que realmente importa é que eles estavam lá sem luz e muitos medrosos, angustiados, desesperados, desamparados... O lobo estava a espreita esperando os que seguiriam sem um rebanho. É sim, entendo o caminho de LUZ, e ás vezes não temo caçador, falta de paternidade, escuridão, lobo... É verdade! Mas por mais segura que esteja, não desejo essa escuridão para alguém que não se sente seguro no escuro como eu, e é exatamente assim que se segue a vida nesse mundo de morte e destruição, quem se importa? O rumo é somente e sempre confortavelmente de forma hipócrita e egoísta em "frente" até que a NOSSA luz se apague.

Não podemos negar: o Blackout ainda existe!

domingo, 8 de novembro de 2009

YAHWEH

"Veio o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um homem comilão e beberrão, amigo dos publicanos e pecadores. Mas a sabedoria é justificada por seus filhos..."
Mateus 11.19


"Inerente neste nome pactual está sua benignidade, sua solicitude redentora pela raça humana, sua contínua presença entre o seu povo, seu propósito de estar em comunhão com os seus e de ser o seu Senhor."

"Três paixões simples, mas irresistivelmente fortes governam minha vida: o desejo imenso de amar, a procura do conhecimento e a insuportável compaixão pelo sofrimento da humanidade."
Bertrand Russel


Imagens: http://www.thejourneysproject.com/

domingo, 1 de novembro de 2009

Fama concedida por ações extraordinárias.

"Se formos dormir, seremos Seus sonolentos queridos.
E se viermos a despertar, estaremos em Suas mãos.
Se viermos a chorar, seremos Sua nuvem cheia de lágrimas.
E se viermos a rir, seremos Sua luz naquele instante.
Se viermos para a raiva e a batalha, será a reflexão da Sua ira.
E se viermos para a paz e o perdão, será o reflexo do Seu amor.
Quem somos nós neste mundo complicado?"

Jalaluddin Rumi (Caçador de Pipas)

Arrumando as idéias enfrentando a vida pelas vias da verdade e nudez interior, deixamos que o véu se rasgue em nós e nos encontramos. Vemos condições precárias e a quebra do conforto num mundo fingido, onde assim, nos leva ao verdadeiro consolo.

Convite radical confundido por utopia, padecer para ser...

Alegria, somos imundos ganhando o Ar dia-após-dia mesmo em nossas estreitas condições, e entendendo que assim, "... com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor." - II Cor 3.18

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

3.


"A vida é igual em toda a parte e o que é necessário é a gente ser a gente."

Clarice Lispector.

domingo, 18 de outubro de 2009

Vê?


"A candeia do corpo é o olho. Sendo, pois, o teu olho simples, também todo o teu corpo será luminoso; mas, se for mau, também o teu corpo será tenebroso."

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

loucas, negligentes e bodes, quem são?


"No último julgamento Cristo nos dirá: '
Vinde, vós também! Vinde, bêbados! Vinde, vacilantes! Vinde, filhos do opóbrio!' e DIR-NOS-Á: 'Seres vis. Vós que sois à imagem da besta e trazem a sua marca, vinde porém da mesma forma, vós também.' E os SÁBIOS e PRUDENTES dirão: 'Senhor, porque os acolhes?' E ele dirá: 'Se os acolho, homens sábios, se os acolho, homens prudentes, é porque NENHUM deles foi jamais julgado digno.' E Ele estenderá os seus braços, e cairemos a seus pés, e choraremos, e soluçaremos, e então, compreenderemos tudo, compreenderemos o evangelho da graça! Senhor, venha o teu reino!"

Fyodor Dostoievski em Crime e Cas
tigo.



>> Medrosos atrasados que não acolheram os pequeninos, e muito menos, multiplicaram o que receberam...

Mateus 25.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Indesculpáveis.

“C. S. Lewis costumava dizer que o cristão não vai à natureza para aprender teologia — a mensagem é truncada demais
Philip Yancey


"Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem indesculpáveis..." - Rom. 1.20



terça-feira, 29 de setembro de 2009

Morrer.

Morrer pra nascer é entender coisas que ninguém vive, ouvir o que ninguém escuta e escolher amar diante de toda límpidez, mesmo aparentemente obscura. Ou no contrário, mas sempre rasgando a pele e sentindo não como alguém que atua, mas entendendo o atuante que torna a ser espetáculo recebendo não o aplauso, mas o vitupério e a dor, junto. Dor, não exatamente por dissipar o prazer pelo que pensa a mente em ser o divinal, mas por não ter onde recostar a cabeça, que ainda assim descansa num momento de dilaceramento da própria imagem que não tem suporte, que não se suporta, encontrando-se em si e bebendo da própria boca. Onde partilha segredos comuns do incomum como filho, sem firula, que sempre esta em casa se misturando em arte, projetando gratidão mesmo em descarga do rasgo. Sim, mostrando-se deflorado de mais uma camada arrancada, mas não exigindo estética para a fílula. Indo e deixando-a aberta e exposta.

Estranhamente pronfundo e pouco usual; e é tudo em necessário.

"Eu sou uma atriz para mim. Eu finjo que sou uma determinada pessoa, mas na realidade sou nada."
Clarice Lispector

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Que Palavra fez tudo?

"Nós devemos pregar a Palavra, mas os resultados devem ser deixados sob a boa vontade de Deus... Eu me opus às indulgências e todos os papistas, mas nunca por meio da força. Simplesmente ensinei, preguei e escrevi sobre a Palavra de Deus; outra coisa não fiz. E enquanto eu dormia ou bebia a cerveja de Wittenberg junto de meus amigos Philipe e Amsdorf, a Palavra enfraquecia o papado de forma tão grandiosa que nenhum príncipe ou imperador conseguiu infligir-lhes tantas derrotas. Eu nada fiz: a Palavra fez tudo." - Martinho Lutero

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Salmo em Boa nova.

O que minha alma anela, busca? Por vezes, diante de tudo que recebo ou que perco, vejo suas mãos, e quando vejo, mas nunca sua face. Chorando, embaçam-me os olhos, não o encontro e me vem a pergunta de onde está esse amor. Então, volto a me entornar, pois sei bem, fui inocente, não entendia, mas tinha a paz, alegria e a justiça. Eu vi. Eu via! E perturbadamente minha alma se abate, não vejo sua face, não vejo seu amor, pois cega estou com a verdade que seca de orgulho por tê-la sem proveito algum. Ah que sede! Ah esses abismos, ah esses ruídos, ah essas ondas! Caio na escuridão, me ensurdeço e não bebo. E é sempre assim, um ciclo. Enxergo minhas falhas que sempre parecem ser mais importantes do que o amor que é contínuo e real, e por isso não vejo, não ouço e me afogo. E se eu focasse em entender que ir no escuro fundo de mim mesma fosse a primeira parte do grande plano de que não posso desistir, e exatamente assim me mostrará a liberdade no mais profundo do meu ser? Sim, a medida que permito que Tu me ames, inclusive pelo que sou, - inclusive e não apesar - me aconchegaria e entenderia sobre o retribuir desse amor, e numa cadeia de glória, transformações seria o resultado.
Em mim, em ti, em nós.

Talvez, não de repente, entendi que pecar é desconfiar desse amor.


Tudo por causa do Fantástico...

=)

Leitura: Salmo 42.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Nós.


Os relacionamentos muitas vezes enfrentam esses problemas nos laços, nós. Existem nós em laços. Existem laços em nós. E pra mim significa embaraço, nós, algo pejorativo, onde mostra como as duas pontas antes estiveram juntas, perto uma da outra. Precisa o contato para entrelaçar. Precisa o contato para desentrelaçar. Certo, e se não houve o contato, o que é então? Tudo, menos um nó. Para se ter um nó é preciso a junção da corda, de um laço, mesmo sendo um nó numa corda solitária.

Lendo sobre nós, percebi que os marinheiros dizem que o nó simples quando molhado é o mais difícil em desatar. O nó é fortalecido. O mais difícil de desatar de todos os nós espetaculares que existem, acredita?

O nó enfraquece aquele ponto da corda em 50% dizem os especialistas. rs

É isso, não importa toda essa informação se não houve em/entre tudo o amor, pois quando entendemos que em face do amor tudo pode causar glória, sem amor laço é só um laço, a junção é só junção, e nó é só um nó.

Tudo nEle.
Para Ele.
Por Ele!

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

luto.

Não tenho tempo para me recuperar...

Enquanto me recupero a iniquidade aumenta.


Preciso mesmo abatida e assustada, manifestar o tesouro, amar...


A execelência é dele e não nossa!

Sobre esse vídeo, não consegui ver na íntegra, não consegui...
Pledge to go fur-free at PETA.org.

http://www.peta.org/feat/ChineseFurFarms/index.asp



Grave a eternidade em meus olhos,
tatue em meu coração...

"O sol... Há de brilhar mais uma vez.
A luz... Há de chegar aos corações.
Do mal... Será queimada a semente.

O amor... Será eterno novamente.
É o Juízo Final, a história do bem e do mal.
Quero ter olhos pra ver, a maldade desaparecer.

O amor... Será eterno novamente!"


Juízo Final - Nelson Cavaquinho.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

mau - mal - bom - BEM!

Reparti de coração com o que ANTES me edificou, consolou e EXORTOU; maaas em alguns que ouviram, foi gerado muita inquietação sob suspeita de manipulação. Até rimou, mas não teve graça, nenhuma GRAÇA. Pois, no meio das charadas, passei um tempo me sentindo estrangeira entre irmãos. Ambíguos, mostraram a mão direita do sarcasmo e a esquerda, poesia... Ê trilha sinistra: muita guerra para pedir paz, quem entende?! Inventaram meias palavras demonstrando bondade para a fuga e retalharam sem misericórdia, aproveitando o bem que virou pizza da vida... Mas decido ainda seguir, mesmo perdendo, entendendo, - e não traumatizada - se eu não viver o bem, peco, e isso sim, é amor, é continuação, é construção... Sem roteiro.

Que eu entregue as palavras moderadamente...

Abatida, canto:

"Vejo falsos profetas com falsas promessas algemando o pensamento. Em frente, cabeça erguida."

(kkkkkkkkkkkk)


Ta, ta, ta... Voltando!

Recuperada, vou tomar aquele velho navio e não cobrando cuidados, de cigarra virarei formiga ainda enobrecendo o bem.

Sim, confirmando em mim...

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Tu tens um medo.

Acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.

Que te renovas todo dia.
No amor.
Na tristeza
Na dúvida.
No desejo.

Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então serás eterno.

Não ames como os homens amam.
Não ames com amor.
Ama sem amor.
Ama sem querer.
Ama sem sentir.
Ama como se fosses outro.
Como se fosses amar.
Sem esperar.

Tão separado do que ama, em ti,
Que não te inquiete
Se o amor leva à felicidade,
Se leva à morte,
Se leva a algum destino.
Se te leva.
E se vai, ele mesmo...
Não faças de ti
Um sonho a realizar.
Vai.

Sem caminho marcado.
Tu és o de todos os caminhos.
Sê apenas uma presença.
Invisível presença silenciosa.
Todas as coisas esperam a luz,
Sem dizerem que a esperam.
Sem saberem que existe.
Todas as coisas esperarão por ti,
Sem te falarem.
Sem lhes falares.

Sê o que renuncia
Altamente:
Sem tristeza da tua renúncia!
Sem orgulho da tua renúncia!
Abre as tuas mãos sobre o infinito.
E não deixes ficar de ti
Nem esse último gesto!

O que tu viste amargo,
Doloroso,
Difícil,
O que tu viste inútil
Foi o que viram os teus olhos
Humanos,
Esquecidos...
Enganados...

No momento da tua renúncia
Estende sobre a vida
Os teus olhos
E tu verás o que vias:
Mas tu verás melhor...

... E tudo que era efêmero
se desfez.
E ficaste só tu, que é eterno.

Cecília Meireles

Escuta:
"Enlevaste-me o coração, minha irmã, minha esposa; enlevaste-me o coração com um dos teus olhares, com um colar do teu pescoço."

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Antes, agora e depois.

Amigo que é e nos chama.

Agora, quem somos e com quem estamos?

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Amigo.

Se fala, se faz e se pensa; e tá lá a traição contra um amigo tão únco, tão meu, tão misericordioso. Não se cansa mas entristece, e poucos percebem, poucos sentem, se sentam e choram, e na verdade, o deixa de lado, afinal somos sacerdotes, somos levitas, cuidamos do templo e de suas canções. Mas deixa, é amigo leal, não se desprendendo do que sabe sobre cada um, mas ainda amando, ainda acreditando, ainda torcendo para um fim das misérias de nosso coração. Sabe quem somos e não foge, tá ali, pronto a receber novamente o coração da amada; amada miserável e ignorante que passa longe, tão cheia de si, tão cheia de ódio, tão cheia de desamor, mas ainda quer ser amigo. Ele ainda assim pede que o exploremos em intimidade, ainda tão pretenciosa achando que já o conhece, que já mergulhou. Haha, não nos castiga por nossas contradições, é amigo paciente ciente onde entende que as palavras nem sempre valem, e também, nem mesmo as atitudes muitas vezes corroídas por desejos. Esse amigão vai direto no coração. rs

Que absurdo, é amigo que investe, conhece e se lembra! Lida com nossas sombras em amor não desprezando uma atitude, uma voz, um olhar voltado novamente pra ele. Não, ele não despreza, afinal, gosta das crianças que mesmo aprontando, caindo e se machucando, se devolvem em sorrisos onde esquecem da travessura passada que derraparam. Esse amigão quer que seus meninos cresçam, mas ainda se formos como criança, ele não se abstém e retorna em abrir os braços, aaaa como ama o retorno.

É mesmo cheio de bondade, mas não se anula preferindo a sinceridade, porque como disse Confucio, "entre amigos as frequentes censuras afastam a amizade", prefere a lama e o lodo em nossa roupa do que a armadura de Saul. Sim, prefere conhecer o arrependimento da fraqueza reconhecida do que a roupa de palhaço. É ele quem dá a graça e não nossos atos de ar triste. Releva as decepções que causamos porque sabe que não somos confiáveis e entende que foram muitas atitudes mal entendidas, por não entendermos ao certo a lição já dada.

Amigo, amigo, amigo, dá flores sem tirar uma do lugar. Dá chaves que abre a porta da vida. Aaaaa é remédio para os machucados, é antídoto para os venenos...

Parceirão que quer ter muito mais que um milhão de amigos!! E a cada simples situação me chama pra perto, e eu constrangida entendo que preciso oferecer o ombro pra ele, logo, e claramente, para outros.


(...)

"Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí."

Feliz dia do amigo...

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Canta TU!


Candeeiro
Eu careço de luz o ano inteiro
Minha gente inda dança fevereiro
E eu correndo na rua a lhe chamar, candeeiro

Candeeiro
A estrada já vai escurecendo
Minha gente se olha e não tá vendo
Querosene acabou, vou lhe chamar, candeeiro
Querosene acabou, vou lhe chamar

Candeeiro
Cor dourada que ilumina o meu peito
Essa dor, candeeiro, não tem jeito
No vazio não tem como queimar, candeeiro

Candeeiro
Vó me disse, inda era pequenina
Vento bate com força na cortina
Candeeiro no chão pode queimar, candeeiro
Candeeiro no chão pode queimar
Pode queimar
Candeeiro no chão pode queimar, candeeiro
Candeeiro no chão pode queimar

"E, tardando o esposo, tosquenejaram todas, e adormeceram. Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro. Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. " - Mt 25. 5-7

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Sim, preciso do Sol.

Sem nenhum véu me disponho a estar do seu lado pra sentir seu calor e me mover tirando a dor da paralização causada pela frieza do tempo... Revela em mim a sua essência mais íntima mostrando a real persona e não algo fictício.


Vou falar, com risos de desespero, hoje sabe-se menos o que realmente digo nessas linhas. Um pessoa realmente viva que se entrega a morte sob o fogo da metralha de milhares de homens entendendo que cada pessoa não é dela mesma, esta em extinção. A criatura padece em crise, e nela se encontra a esperança que crucifica a carne e faz viver o Redentor. Ah, se entendessêmos realmente que podemos não com o que somos, mas com a essência divina iluminar como o Sol.

São poucos hoje que sabem ser, e claro, não que eu saiba, mas sou a que busca, porém não busco mais romanticamente nas estrelas (rs) e nos livros. Começo a enxergar em mim o escuro e começo a perceber a imperceptibilidade. Sim, estou aprendendo. Claro, não é nada agradável, suave, leve e harmonioso, inclusive esta solitário, porém não é inventado. Circula entre os extremos da vida, onde a insensatez e o amor dão as mãos, onde a verdade e a loucura, são irmãs, onde não encontra espaço para mentir mais a si mesmo, e assim, entendendo o nosso abismo poderemos entender uns aos outros, e que logo, comece o sangue a circular...

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Rumo...

Prefiro me livrar da personagem e dos rótulos que teimam que eu beba, mas sempre acabo prestando atenção nessa água e me pergunto se a cada palavra dita funda o que sou, a realidade, logo noto que a água é turva e percebo que não prestaram atenção no que tento, então o que bebi, vomito para que um dia me queimem, "não quer água, toma fogo", e não é fogo do amor, fazer o que? Que pelo menos eu continue dizendo, minha alma não precisa de reconhecimento e fundamentalismo, porém não posso esquecer, as fogueiras da inquisição ainda ardem... Tô nem aí, meu alvo é o nada, o vazio. Quero encarnar Deus entre homens e mulheres e não viver; e nessa, descubro que com a aceitação no espírito começa a liberdade e com a consciência posso ter a prisão, rodando vou para o redemoinho e me vejo mais para teimosa e independente; onde dizem, é a minha essência, e talvez estejam certos, mas logo descubro que o aparentemente bom para minha lama/alma se aprofunda em dor na identificação que preciso encontrar no próximo o que me completa, então anulo rápido as minhas leviandades, pois quero aprender a amar, é verdade, quero aprender a adorar... A teimosia, ás vezes é boa, vira determinação, onde sou persistente mesmo vendo que no fim onde não há luz, podendo ser trágico, eu prossigo. Mas percebi que sozinha a resposta em mim é frágil, pequena e precária. E dela eu preciso, pois é faca de dois gumes: Coloca o meu coração na escolha da prontidão da solidariedade pela exposição mostrando a dor do amor ou o desamparo e a distância, pois denuncia a mentira de uma manipulada palavra verdadeira e transparente.

É isso, caminho destruindo o antigo, preferindo o silêncio e recusando distrações, pois as utopias me enraizaram, e agora, delirando abatida e enferma; aproveitei a anestesia e tatuei em mim a ferro o AMOR, e não tô para o ensaio solitário, estou sedenta, preciso e muito não só beber mas da transbordante Fonte que dá água VIVA, e dessas águas, de verdade, e um dia, jorrar de/em mim.

Toma meu coração e que eu siga em propósito...

No mesmo rumo: http://espectrumdaalma.blogspot.com/2009/05/em-direcao-ao-sol.html

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Continue mostrando...

"... Das trevas descobre coisas profundas, e traz à luz a sombra da morte."

"Para iluminar aos que estão assentados em trevas e na sombra da morte, a fim de dirigir os nossos pés pelo caminho da paz."

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Sim e Não.

O amor esfarelou?

A mentira é o refúgio e debaixo da falsidade a maioria se esconde, e assim a vida segue, homens adoecendo por causa da omissão...

"Sim, sim; Não, não; porque o que disso passar vem do maligno."
Mateus 5.37

Pai da mentira, da fantasia...

Existir nesse ambiente é se falsificar.

Fora a verdade pode haver amor?



Não podemos esquecer, ainda que folgue a injustiça, o Amor ainda é amor.

A verdade EXISTE!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Parto!

Senhoras e sem dores, bem vindos ao teatro mágico!

Parto...

Parto...

A POESIA PREVALECE!!


O primeiro senso é a fuga.
Bom...
Na verdade, é o medo.
Daí, então a fuga.

Evoca-se na sombra uma inquietude, uma alteridade disfarçada, inquilina de todos nossos risos...
A juventude plena e sem planos se esvai...

O parto ocorre.

Parto-me.

Aborto certas convicções.
Abordo demônios e manias.
Flagelo-me.
Exponho cicatrizes.
E acordo os meus, com muito mais cuidado.
Muito mais atenção!

E a tensão que parecia não passar:
"o ser vil que passou pra servir... Pra discernir..."
Pra pontuar o tom.
Movimento, som

Toda terra que devo doar.
Todo voto que devo parir.
Não dever ao devir.
Não deixar escoar a dor!
Nunca deixar de ouvir...
Com outros olhos!

"Ouve, filha, e olha, e inclina os teus ouvidos; esquece-te do teu povo e da casa do teu pai. Então o rei se afeiçoará da tua formosura, pois ele é teu Senhor; adora-o." - Sl 45.10-11

quinta-feira, 4 de junho de 2009

do lado?


"E aconteceu que, indo eles falando entre si, e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia com eles. Mas os olhos deles estavam como que fechados, para que o não conhecessem. E ele lhes disse: Que palavras são essas que, caminhando, trocais entre vós, e por que estais tristes?

E, respondendo um, cujo nome era Cléopas, disse-lhe: És tu só peregrino em Jerusalém, e não sabes as coisas que nela têm sucedido nestes dias?

E ele lhes perguntou: Quais?

E eles lhe disseram: As que dizem respeito a Jesus Nazareno, que foi homem profeta, poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo e como os principais dos sacerdotes e os nossos príncipes o entregaram à condenação de morte, e o crucificaram. E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel, mas agora, sobre tudo isso, é já hoje o terceiro dia desde que essas coisas aconteceram.

É verdade que também algumas mulheres dentre nós nos maravilharam, as quais de madrugada foram ao sepulcro, e, não achando o seu corpo, voltaram, dizendo que também tinham visto uma visão de anjos, que dizem que ele vive. E alguns dos que estavam conosco foram ao sepulcro, e acharam ser assim como as mulheres haviam dito, porém, a ele não o viram.

E ele lhes disse: O néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram!"

NegritoNessa caminhada acertamos uma bala no peito matando utopias, mas não as guerras morais que nos limitam, e assim, estupidamente nos fatigamos prematuramente por causa de nossas próprias escolhas...

Escolhemos discutir idéias estéreis que nos cegam para crer e ver o amor.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Isso é o que?


"Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações." - Shakespeare

Quem quer amar se prende nesse julgamento?

No amor não buscamos nossos interesses.
No amor não nos irritamos.
No amor não se supeita mal.

MAS também no amor não se folga com a injustiça, mas folga com a VERDADE!

É necessário purificar as almas pelo Espírito na obediência à verdade para o amor fraternal não fingido...

Amai-vos ARDENTEMENTE uns aos outros com um coração puro.

Entende?

Em parte, conhecemos, e em parte profetizamos.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Não vou me adaptar!




"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do VOSSO entendimento..."

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Ignorei o que sou...

Notas de um observador:

Existem milhões de insetos almáticos.
Alguns rastejam, outros poucos correm.
A maioria prefere não se mexer.
Grandes e pequenos.
Redondos e triangulares, de qualquer forma são todos QUADRADOS.

Ovários, oriundos de variadas raízes radicais.
RAMIFICAÇÕES da célula RAINHA.

Desprovidos de asas, não voam nem nadam.
Possuem vida, mas não sabem...
Duvidam do corpo, QUEIMAM seus filmes e suas floras.
Para eles, tudo é capaz de ser impossível.

Alimentam-se de nós, nossa paz e ciência.
REGURGITAM assuntos e sintomas.
Avoam e bebericam sobre as fezes.
Descansam sobre a carniça, repousam-se no lodo.
Lactobacilos vomitados sonhando espermatozóides que não são.
Assim são os insetos INTERIORES.

A futilidade encarrega-se de MAESTRÁ-LOS.
São INÓSPITOS, NOCIVOS, POLUENTES.

ABUSAM da própria miséria intelectual, das mazelas vizinhas, do câncer e da raiva alheia.
O veneno se refugia no espelho do armário.

Antes do sono, o beijo de boa noite.
Antes da insônia, a benção.

ARRISCAM a partilha do tecido que nunca se dissipa - a família.
São soníferos, chagas sem curas...
Não reproduzem, são inférteis, infiéis, in(f)vertebrados.

Arrancam as cabeças de suas FÊMEAS, cortam os TRONCOS, urinam nos RIOS e nas somas dos desagravos, greves e desapegos...

Esquecem-se de si.

Pontuam-se.

A cria que se crie, a dona que se dane.

Os insetos INTERIORES proliferam-se assim:
Na morte e na merda.
Seus sintomas?
Um calor gélido e ansiado na boca do estômago.
Uma sensação de: O que é mesmo que se passa?


Um certo estado de humilhação conformada o que parece bem vindo e quisto.
É mais fácil aturar a tristeza generalizada que romper com as correntes de preguiça e mal dizer.

Silenciam-se no holocausto da subserviência.

O organismo não se anima mais.
E assim, animais ou menos assim, descompromissados com o PRÓPRIO rumo.
Desprovidos de CARÁTER e CORAGEM.
Desatentos ao próprio tesouro...

Caem.

Desacordam todos os dias, mensuram suas perdas e imposturas.

Não almejam, não alma, já não mais amor...


Assim são os insetos INTERIORES.

A Metamorfose ou Os Insetos Interiores ou O Processo.
Teatro Mágico.

Noiva guerreira.

sábado, 25 de abril de 2009

Todos os dias: a LOUCURA!



Estou com um chaveiro de cruz, cheio de strass, brilhosa, bonita, fiquei observando por um momento na volta pra casa... Observei o quanto ela chama atenção. É o tipo de chaveiro que se coloca as chaves dentro do bolso e a cruz pra fora. Dá um clean pra roupa. rs

Cheguei em casa, liguei a tv e o que vi?
Um coral estrondoso, maravilhoso, todos de preto cantando o gospel, ou melhor, "americanamente".

Que som!
Que palco!
Que penteados! rs
Que luz... Tudo perfeito!

Lembrei da minha cruz...
Aaah se todos usassem a minha cruz naquela roupa preta seria realmente perfeito! rs


E se eu carregasse minha cruz com um trapo de roupa?
E se eu carregasse?

Sim, a CRUZ sem brilho!

"Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me" - Mt 16.24

Não a minha vontade.
Vergonha e dor.
Discípula, amiga, NOIVA!

Creio que Deus use as limitações que criamos... Usa a mega produção!
Usa a minha cruz de strass...

Profetas, com vaidade consolamos!

E gostamos de nos enganar.
Dizemos arrependimento quando só há remorso.
Dizemos paz quando não há em si mesmo o Princípe da paz.
Dizemos que temos fé quando não há nada além que palavras e preocupações.

"Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora. E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo." - Rom 8.22-23

Para a construção primeiro precisamos destruir o que realmente somos.

Para SER é preciso destruir o que é.

Isso é revelar o que se quer realmente.
Isso traz vergonha, causa dor...

Para construir!

Isso é escolher a loucura.

Isso é escolher a CRUZ!

"E dizendo: Senhores, por que fazeis essas coisas? Nós também somos homens como vós, sujeitos às mesmas paixões, e vos anunciamos que vos convertais dessas vaidades ao Deus vivo, que fez o céu, e a terra, o mar, e tudo quanto há neles..." - At 14.15

quinta-feira, 23 de abril de 2009

São Jorge!!!

Guerreiro originário da Capadócia e militar do Império Romano, Jorge converteu-se ao cristianismo e não aguentou assistir calado às perseguições aos cristãos ordenadas pelo inclemente imperador Diocleciano. Considerando-se traído, o imperador condenou o guerreiro Às mais terríveis torturas. E Jorge conseguiu vencer a todas elas. Suportando uma dor atrás da outra, ele enfrentou as lanças dos soldados, permaneceu firme sob o peso de uma imensa pedra, obteve a cicatrização imediata das navalhadas que recebeu e resistiu ao calor de uma fornalha de cal.

A cada resistência sobre as torturas, Jorge ia convertendo mais a mais soldados. O imperador, contrariado, chamou um mago para acabar com a força de Jorge. O santotomou duas poções e, mesmo assim, manteve-se vivo. O feiticeiro juntou-se à lista dos convertidos, a exemplo da própria esposa do imperador. Essas duas últimas "traições" levaram Diocleciano a mandar degolar o ex-soldado em 23 de abril de 303.

Não sei se é fato, mas é nessa história que os seguidores de Jorge acreditam. Partindo desse princípio, coloco algumas reflexões de quem é Jorge e a quem ele servia.

Ele se converteu ao cristianismo onde não tinha Maria e outras divindandes. Logo, percebemos que se converteu não a esse cristianismo que vemos, mas um que defendia com todo ser os perseguidos que declaravam que Jesus Cristo é o Senhor de suas vidas.

Gostei do seu Jorge. rs
Jorge, é como Paulo, Pedro, João, Apolo...
Eles anunciavam algo em comum: Jesus Cristo.
Jorge foi um dos seguidores VERDADEIROS do evangelho do Reino!

Sendo verdadeiro, não queria ser idolatrado e não idolatrava ninguém a não ser Jesus.

Seguem sem conhecimento?

Ele era um cristão verdadeiro que não se calou e protegeu os que seguiam a Cristo.


É isso, mas uma mensagem que a esperança da glória é Cristo em nós!

Ah, sobre o dragão, bem, no momento não opinarei...


Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça.