sexta-feira, 14 de maio de 2010

Embora não pareça...


 Tudo passa, menos o amor!

Invernos
Impérios
Mistérios
Lembranças
Cobranças
Vinganças

Assim como a dor
Que fere o peito
Isso vai passar
Também

Saudades
Vaidades
Verdades
Coragem
Miragens
E a imagem no espelho
Como a dor
Que fere o peito
Isso vai passar
Também

E todo o medo, o desespero
E a alegria
E a tempestade, a falsidade
A calmaria
E os teus espinhos
E o frio que eu sinto
Isso vai passar
Também

Isso vai passar
Isso vai passar
Isso vai passar
Também
Isso vai passar
Isso vai passar
Também

Isso vai passar



sexta-feira, 7 de maio de 2010

O cântico da Terra.

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranqüila ao teu esforço.

Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.

Cora Coralina

Teoria da prosperidade com Cristo?

kkkkk

domingo, 25 de abril de 2010

Oração para a Vida.

O Teatro Mágico

"Há manhãs que me trazem o medo
De ter de perto de mim alguém
Quanto aos prantos me vejo sozinho
Que sei que aqui no mundo espero Alguém.

Alguém que...
... Que me faça esperar pelo agora!

Pássaro canta, a flor floresce ao dia
Bem ouvido para quem acorda o céu
Quantos rostos o acaso me traz
O momento relento da minha oração.

Horas são
Horas vão
Horas são
Poeta que brinca de pega-pega
Te busco em minha composição.

Tua saudade
Que fosse metade minha
Que me encontrasse
Como as horas encontra o dia.

Poeta que brinca com a dona esperança
Por que a vida é o coletivo das horas que são pro dia.
"

Aguardo-te!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Caminho de Emaús.

E no caminho se dava passo não para trevas, porque ele se fora, mas para a luz, mostrando que ainda havia fé, não negando seus milagres e sua presença de Rei que fora morto como previsto sem reais explicações. Ele se foi e a tristeza bate nos peitos. Bate porque o que deveria ser coroado foi com espinhos? Tudo planejado? Se machucou, se humilhou e falou coisas que, ás vezes, não convinha ouvir, assustava. Tudo feito da forma correta? Ao redor, a tristeza mais batia porque não cumpriu o tipo de reinado dos corações que não ardiam. E em atitudes mostrava que não tinha medo da solidão, já enfrentara antes para se cumprir o propósito maior. Ele que viu poder e tristeza em total intensidade, essa que imaginamos um dia não aguentar. Convidado, assim ficou, dividiu e se foi. Se foi?

Planejaremos quando seu retorno?

Fevereiro com Priscila Cáliga.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

AMAR na chuva...

"Que pode uma criatura senão,
senão entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita."

Carlos Drummond de Andrade.

Informações sobre postos de arrecadação.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Arranjo.



Me escala, me nota, me harmoniza
Me canta, me escreve, me improvisa
Sou frase sua, me continua
Faz o contra-ponto
Cifra o caminho onde eu te encontro

Aprendo seu ritmo moderado com ímpeto
Me afino em acordes alterados
Pela manhã peço uma pausa longa
De longo efeito
E te beijo em silêncio

Me orquestra, me sola
"Solamente una vez"
Nesta canção que você fez

Reveja: Arranjos Temporários.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Velhos atalhos.

Mexendo em armário antigo e tirando coisas para jogá-lo fora encontrei além de poeira, tantas outras coisas que agrediam minha saúde. Ao abrir, coladas na porta do armário, fotos de família risonha típica que vivia, fora da paralisia, aos tapas. Irmã com sua doce, antiga e tímida presença. Cachorros, muitos cachorros com rótulo de amigo e Pietra, a única. Mares que me deixei e shoppings que levei. E até o ursinho marrom sem nome que me fazia dormir protegida, mas não abraçava. E dentro do armário muitos presentes singelos e cheios de significado como a caixinha de música que ouvia sempre quando a irmã ia para a creche. Ou um fingido abajour que vovô deu com intenção de iluminar. Aos montes havia cartas de amor, de amigos, de família, com desejos de felicidade, promessas e declarações eternas. Mas, - normalmente - a vida prosseguiu sem mim, assim como fazia com a mãe. Ela saia para trabalhar, então eu aprontava, vivia, descobria. Tudo réplica de momentos e lembranças no tempo mais fácil, superficial e sincero. Se estendeu, onde o amor entrou algumas vezes sem ao menos entendermos que ele lá estava, e em outras, a prova viva que as coisas e as pessoas eram tratadas no mesmo nível, da mesma forma, no mesmo siginificado. E toda a sensação ao rever histórias me causou tristeza e nenhuma saudade de fato. E como isso aconteceu nesse coração? Pois doía tanto, mas tanto, tanto... Sempre foi saudade, sempre havia nostalgia ou melancolia na garganta e nos pulmões. E agora não, "de repente" agora não. Ao peito agitado somente tristeza por ter feito algumas escolhas, não por pessoas, mas por atitudes que não tomaria agora.

domingo, 14 de março de 2010

Vendaval.

Nas páginas anteriormente brancas dos livros inúteis,
Nas velhas caixas de recordações de jovens sentimentais,
No tronco apunhalado da árvore centenária do jardim,
Nas últimas folhas dos jornais locais que ninguém lê,
Letras em cadência de verso denunciam a sua EXISTÊNCIA.

Em letras pequenas
Do tamanho do amor, da esperança, da saudade,
Versos anunciam que uma pequena alcateia de mulheres e homens,
Guiados por corações sem rédeas,
Escreveu sentimentos proibidos
Em horas de solidão
Inventando uma SUBVERSÃO a que chamam poesia.

Uma ALCATÉIA de mulheres e homens livres,
Com fome e sede de infinito,
Soube dar vida a letras esquecidas.
Basta-lhes um sonho.
A noite.
A paixão.
A beleza de um olhar reluzente.

Armados com caneta e papel,
Camuflados com um olhar humilde
Que disfarça uma insuportável dignidade,
Mulheres e homens inundam a terra árida do mundo,
Com palavras VICIOSAS sob a forma de poemas.

É URGENTE travá-los antes da contaminação coletiva,
Antes que a epidemia se espalhe
E a poesia se torne numa doença universal.
Justificam-se medidas drásticas.
O presidente que decrete o estado de sítio.
Alerta vermelho!
Mobilização geral!
Chame-se o exercito, a marinha,
Ordene-se que os navios de guerra estejam a postos,
Os aviões devem carregar mísseis e voar imediatamente,
As forças de segurança devem procurar cidade-a-cidade,
Vasculhar bairro-a-bairro,
Revistar casa-a-casa.

Sem esquecer as escolas, os cafés, os jardins?
Existem PENAS exemplares para quem não denunciar os criminosos,
A situação assim o exige.

Está em causa o FUTURO da Humanidade.
O futuro do sistema social que construímos,
O futuro dos desenvolvimentos científicos e tecnológicos,
O futuro das nossas vidas conquistadas com suor e trabalho.
Não se deixem vencer pelo cansaço:
Encontrem-nos!

Só quando conseguirmos eliminá-los poderemos viver em paz.
Num qualquer local desconhecido,
Mulheres e homens perigosos ESCREVEM poemas.
Descurando as suas tarefas sociais,
Semeiam no mundo hieróglifos compadecidos.
É imprescindível intensificar as buscas.
E ao encontrarem esses infames
Esgrimindo verso após verso de caneta em riste,
Não hesitem:
Disparem!

Mesmo que seja amigo de infância: Disparem!
Colega de escola: Disparem!
Partilhou convosco a mesma carteira: Disparem!
Ofereceu-vos da sua comida quando tinham fome: Disparem!
É possível que sintam uma compaixão tolerante
Quando os descobrirem indefesos perante a vossa espingarda.
Não se deixem comover:
Apertem o gatilho e calem-nos para SEMPRE!
Para BEM do mundo,
Procurem a alcateia de mulheres e homens que inventaram a poesia.
É preciso encontrá-los antes que seja tarde...

Gonçalo Nuno Martins

terça-feira, 9 de março de 2010

chamado: Tijolo Por Tijolo Chato.


"Mas se é verdade, você pode ver com seus olhos até no escuro e é lá que eu quero estar."

Complexo?

=)

No traçado pode ser eu, o próximo, a Noiva...

"Olhe à si mesmo e não em outro alguém e diga-me o que vê..."

sábado, 6 de março de 2010

Traçar.

"Se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado."

Desenho ou destruição do que não se conhece?

É deturpado achar que comunhão é ajuntamento de gente, isso é no máximo teoria do homem cordial, uma "transparência fosca". O verdadeiro ritmo, de fato, tem sido visto como utopia. Talvez seja desejado, mas não trilhado por parecer irreal, desconexo... Como a arca. Como um maná que cai do céu e alimenta. Como uma cruz de morte que gera vida. Bem, essa 'utopia' me enraizou por crer, me levando a trilhar o que não foi trilhado, remetida a seguir naquilo que nossos olhos naturais não conseguem enxergar.

Mas não, não dá pra viver sozinha, andemos na luz e vamos em busca da 'epifania'?!

Estejamos à porta do jardim, assim, rebobinando a memorização como no Éden, caminhando em diálogos com Deus com o ser nu sem vergonha. É... E Ele esta de braços abertos porque nos ama.

E podemos retribuir esse amor...


"E conhecemos o amor nisso: Ele deu sua vida por nós, e devemos as nossas vidas por nossos irmãos."

Essa é a trilha.

segunda-feira, 1 de março de 2010

Povo perseverante...



E no fim
Mentimos acordados
E nós sonhamos
Que faremos nossa fuga...

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Duloren.

Seguindo com o conceito “Você não imagina do que uma Duloren é capaz”, a agência Agnelo Pacheco Rio coloca em veiculação mais uma campanha polêmica da marca de lingeries. Com o título “Só Jesus é fiel”, a companhia pretende “defender a postura da mulher de pensar em trocar de marido ou namorado quando ela se sentir abandonada ou rejeitada por ele”.Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Para Marcos Silveira, diretor de criação da campanha, “a mulher Amélia não existe mais. Hoje, quem não dá atenção à mulher que tem, corre o risco de perdê-la. A fila anda!”. Segundo pesquisa realizada no final do ano pela agência, 420 mulheres das classes A e B, entre 20 e 35 anos, foram entrevistadas e 74% delas afirmaram já ter trocado de parceiro por falta de carinho, companheirismo e atenção. A campanha estará em mídia impressa e em cerca de 30 mil ponto-de-venda de todo o País.

Fonte: M&M

"Cegueira também é isto, viver num mundo onde se tenha acabado a esperança." - José Saramago

"Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão."

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Mundo Grande.

Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso freqüento os jornais, me exponho cruamente nas livrarias:
preciso de todos.

Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.

Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros, carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem... Sem que ele estale.

Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma, não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo...
Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos – voltarão?

Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam.)


Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.

Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas,
não obstante exaustivas
e convocando ao suicídio.


Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia de que o mundo,
o grande mundo está crescendo todos os dias,

entre o fogo e o amor.

Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
– Ó vida futura! Nós te criaremos.

Carlos Drummond de Andrade

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Eu troquei a fama pelo Amor!



Eu troquei a fama pelo amor
Sem pensar duas vezes
Tudo virou um jogo bobo
Algumas coisas não podem ser compradas

Eu tive exatamente o que eu pedi
por querer muito mesmo
Correndo, correndo em busca de mais
Eu sofri as conseqüências, tão satisfeita

E agora eu descobri
Eu mudei meu pensamento

Seu rosto
Meu substituto para amar
Meu substituto para amar
Eu devo te esperar?
Meu substituto para amar
Meu substituto para amar

Eu viajei o mundo inteiro
Procurando por um lar
E me encontrei em salas cheias
Me sentindo tão sozinha

Eu tive tantos amantes
Que se aproximavam de mim
Pelo prazer de se exporem em meus holofotes
Eu nunca me senti tão feliz

Mmmmmm, oooohhh, mmmmmmm
Nenhum lugar famoso, distante de tudo
Bugigangas que eu possa comprar
Nenhum estranho bonito, nada perigoso
Droga que eu possa tentar
Nenhuma roda gigante, nenhum coração para roubar
Nenhum sorriso na escuridão
Nenhuma noite 'ficada', nenhum lugar longe de tudo
Nenhum fogo que eu possa faiscar
Mmmmmmm....mmmmmmm

Agora que eu descobri, eu mudei meu pensamento
Esta é minha religião

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

BBB.

É uma gaiola comportamental que analisamos a vida se relacionando. Um grande jogo nada diferente do que é aqui fora, aceitação e reconhecimento. TUDO IGUAL, mas sem R$ 1.500.000,00 na jogada. É um bom programa para percebermos que não somos bonzinhos, felizes, amigáveis, verdadeiros e uma série de qualidades que tentamos fazer o outro engolir o tempo inteiro ou defendemos na entrevista de emprego. rs

A nova do BBB é o preconceito de etnia, outros por opção sexual, alguns por causa da inteligência e até mesmo por causa da beleza. Eles convivem e nós temos o poder de Deus no fim, JULGAMOS quem tem ou não tem um bom comportamento na casa. Interessante ver quem perde num paredão. Interessante ver a cara do Brasil a cada momento que participa nas votações, os escolhidos... E do lado oposto, quem não vota, vejo pelo twitter muitas frases do tipo: "troque o BBB por um livro" e eu caiu na gargalhada. Troque por um livro pelo menos na hora do BBB, mas não troque quando você tiver fazendo algo que gosta muito e sabe que não é tão bom assim... =) Mas perae, olha outra análise: Por um livro? kkkkkkk

Quando o BBB aparece, manifesta a hipocrisia!

Encontramos na votação do julgamento de comportamento do confinado ou simplesmente na explicação que não gostam do programa para se encaixar num grupo rotulado de intelectuais ou dos crentes, ou até mesmo do contra. rs E assim segue a vida... Somente para declarar uma informação, digo, estamos vivendo cada dia mais presos em nossas casas. Estamos enjaulados em nós tristes, egoístas, confusos ou fingidos. Tornando cada dia mais utópica a Paz e sem a disputa de R$ 1.500.000,00. Para exemplo, quando olhamos no espelho e só conseguimos olhar nossos defeitos exteriores, bem, um BBB é uma grande ajuda, mostra os corpos maravilhosos e interiores monstruosos em testes como com ratos. E eles não são piores que nós... E somos também observados!

Mal assisto tv aberta ou fechada. A internet é onde me informo, me comunico, aprendo e me divirto. E fora da net é o BBB que mostra nossas discussões e mentes insanas no cotidiano para alcançar nossos desejos...

Eu retenho o que é bom! rs


Vamos lá, e Jesus, se deixaria trancar numa gaiola?

Dependendo da sua resposta podemos entrar num assunto em comum:

Nossas prisões, grilhões, julgamento... Ou até mesmo fofoca! kkkkkk


"Se você pudesse me dizer
Se você soubesse o que fazer
O que você faria
Aonde iria chegar?

Se você soubesse quem você é
Até onde vai a sua fé
O que você faria?
Pagaria pra ver

Se pudesse eu te levaria
Até onde você quer chegar
Brilho das estrelas
No primeiro lugar

Se pudesse escolher
Entre o bem e o mal, ser ou não ser?
Se querer é poder
Tem que ir até o final
Se quiser vencer

O mundo é perigoso
E cheio de armadilhas
Um dia estéril e gozo
Verdades e mentiras

Viver é quase um jogo
Um mergulho no infinito
Se souber brincar com fogo
Não há nada mais bonito"

=)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Deus confia?

Confiança é depositar expectativa em alguém, e após feita essa escolha, o que gera são cobranças e frustrações. E Deus trabalha diferente, nos conhece e não cria expectativas, por isso ele consegue amar SEMPRE!

Então, viver desconfiando?

Bom, precisamos é reconhecer que todos somos falhos e que a trilha é realmente dura e estreita, pois é ilusório pensar que encontraremos Amor no caminho, mas podemos ser Amor para os que trilham...

Esse é o serviço e não importa o lugar!

Bílbia para quem quer mais... "Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR! Porque será como a tamargueira no deserto, e não verá quando vem o bem; antes morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável. Bendito o homem que no SENHOR, confia e cuja confiança é o SENHOR."

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Mágramática.

Todo sujeito é livre para conjugar o verbo que quiser
Todo verbo é livre para ser direto ou indireto
Nenhum predicado será prejudicado
Nem tampouco a frase, nem a crase
Nem a vírgula e ponto final.
Afinal, a má gramática da vida
Nos põe entre pausas
Entre vírgulas
E estar entre vírgulas
Pode ser aposto
E eu aposto o oposto
Que vou cativar a todos
Sendo apenas um sujeito simples
Um sujeito e sua visão
Sua pressa e sua prece
Que enxerguemos o fato
De termos acessórios para a nossa oração
Adjuntos ou separados
Nominais ou não
Façamos parte do contexto
Sejamos todas as capas de edição especial
Mas, porém, contudo, todavia
Sejamos também a contracapa
Porque ser a capa e ser contracapa
É a beleza da contradição
É negar a si mesmo
E negar a si mesmo
É muitas vezes encontrar-se com Deus
Com o teu Deus.
Senhoras e Senhores
Que nesse momento em que cada um se encontra agora
Um possa se encontrar ao outro
E o outro no um
Até por que
Tem horas que a gente se pergunta...
Porque é que não se junta tudo numa coisa só?

Teatro Mágico.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Tremor.

Como no dia da queda do World Trade Center, estou apreensiva. E lá, no Haiti, agora, sem água, sem comida, sem local para dormir, sem nenhuma segurança. Eles estão precisando de ajuda em suas necessidades, e talvez, muitos que lêem aqui, nunca passaram por situação parecida. Não sabemos do medo, da profundidade da dor. Muitos devem chorar agora porque queriam estar no lugar dos mortos, poucos querem a vida nesse momento de desespero. Pessoas que conviviam com eles e num tremor, o que não faltava começou a faltar. Além de suas necessidades já serem escassas a muito tempo, eles agora sentem falta dos entes queridos nessa batalha, sofrem com os feridos e a fome ainda prevalece. Ajuda chega, mas ainda estão mantendo guardados todos os mantimentos, pois não estão conseguindo organizar a logística. Vai demorar... Começa o estudo do todo o lugar, do local onde foi mais afetado, a desorganização de um país agora livre de leis, mas preso por não conseguirem viver sem elas. E nisso tragédia, devastação, destruição. E é lógico, dentro de nossos corações também acontecem alguns terremotos. Coisas nossas onde tínhamos certo a força, a proteção, a verdade, coisas que achávamos indestrutíveis de repente caem num tremor. Começamos a compreender sobre nossa estrutura e percebemos que depende de nós isso gerar morte, pois a verdade é que há esperança num tremor. Foi assim com Jesus, morreu e muitos ressuscitaram voltando para os seus. Mas não podemos esquecer, Jesus precisou morrer...

Pra tudo, primeiro uma destruição e é preciso urgência para a sua construção, porque existe quem esteja esperando o abrigo e o suprimento para sanar suas necessidades, onde, a partir daí, talvez, outras construções se erguerão...
Tudo depende da fé e dedicação de cada um.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Lembre-se:



Quem ama sempre perde!

"... e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á."