segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

"A pergunta é: e quando o outro é muito mais do que um?"

"Tudo que move é sagrado
E remove as montanhas
Com todo cuidado, meu amor
Enquanto a chama arder
Todo dia te ver passar
Tudo viver ao teu lado
Com o arco da promessa
Do azul pintado pra durar.

Abelha fazendo o mel
Vale o tempo que não voou
A estrela caiu do céu
O pedido que se pensou
O destino que se cumpriu
De sentir o seu calor e ser todo
Todo dia é de viver
Para ser o que for e ser tudo.

Sim, todo amor é sagrado
E o fruto do trabalho
É mais que sagrado, meu amor.
A massa que faz o pão
Vale a luz do seu suor
Lembra que o sono é sagrado
E alimenta de horizontes
O tempo acordado de viver.

No inverno te proteger
No verão sair pra pescar
No outono te conhecer
Primavera poder gostar
No estio me derreter
Pra na chuva dançar e andar junto
O destino que se cumpriu
De sentir o seu calor e ser tudo."

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Prisioneiros da Esperança.

Aprender é muitas vezes errar e cair até que a verdade de deus seja completamente introjetada em nós de forma que não precisemos mais pensar para agir de acordo com ela, não automaticamente, numa busca cruel em atitudes robotizadas e manipuladas para mudar a situação, mas naturalmente, se descobrindo quem realmente é, entendendo as falhas e reconhecendo que nada de bom é realidade partindo do próprio, tornando assim o caminho impossível de recuar.

Isso é um treinamento que me lembra Moisés, Elias, Davi...
E agora, existem os que estão em cavernas, desertos, prisões?

Possivelmente a minoria que não abortou a missão um dia se juntará!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Natal = Nascimento.

Diretamente digo: Deus me ama do jeito que sou sem superficialidade mostrando no que erro, mas ainda dizendo que me quer. É simples e forte assim! A qualidade real de deus é se mostrar diferente de como tudo está ao redor. Ele caminha contra a falta despejando o muito que muitos não reconhecem por não ser palpável. É cena falarmos que estamos sozinhos e também é cena batalhar para estar no meio de muitos e dizer a si mesmo que é amado. É tudo mentira! Geralmente estar/querer é face de piedade para se safar do óbvio que é: completar o vazio. Resposta para quase tudo: amor, amor, amor... No mais, mesmo não fazendo cena, também se ferra quem ama, pois no fim é tudo dolorido! rs

A diferença é: Quem se dispõe a amar não descobre quem o outro é, mas quem realmente é no outro. E descobrindo em arrependimento te desejo Feliz Nascimento de Cristo! =)
Esse é o presente, amiguinhos!!!
Ho Ho Ho!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Continue andando.

“Aqui é um lugar de desamor
Tempo de antes e tempo de após
Numa luz mortiça: nem a luz do dia
Que reveste formas de lúcida quietude
Transfigurando sombras em beleza transitória
E cuja lenta rotação sugere permanência
Nem a escuridão que purifica a alma
Esvaziando o sensual com privação
Purgando de afeto o temporal.
Nem plenitude, nem vazio. Apenas um bruxuleio
Sobre faces tensas e repuxadas pelo tempo
Distraídas da distração pela distração
Cheias de fantasmagorias e ermas de sentido (…)
Desce mais fundo, desde apenas
ao mundo da perpétua solidão
Mundo não mundo, mas o que não é mundo
Escuridão interior, privação
E destituição de toda propriedade,
Ressecamento do mundo dos sentidos,
Evasão do mundo da fantasia
Inoperância do mundo do espírito;
Este é um dos caminhos, o outro
É o mesmo, não em movimento
Mas imóvel, enquanto o mundo se move,
Em apetência, sobre seus metálicos caminhos
De tempo passado e tempo futuro.


T.S. Eliot, Quatro Quartetos, Burnt Norton, III